Ao Vivo

Renatinho Pires recebe Albeneir Pereira e Thay Valtrin no Urban Sports

Dazaranha completa 25 anos com show acústico especial com a Camerata Florianópolis

Confira a entrevista exclusiva com a dupla sertaneja Jorge e Mateus no P12 em Jurerê Internacional

Vinícola Boutique D’alture participa de evento Porto Sol Wine em Florianópolis

img
TECNOLOGIA

OMS inclui vício em videogame em classificação internacional de doença

Publicado em 19/06/2018 - 06:03:24

A relação de doenças listadas na CID reúne mais de 55 mil códigos.


Imagem ilustrativa
OMS inclui vício em videogame em classificação internacional de doença

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou hoje (18) a nova Classificação Internacional de Doenças (CID), um sistema que foi criado para listar, sob um mesmo padrão, as principais enfermidades, problemas de saúde pública e transtornos que causam morte ou incapacitação de pessoas. Pela primeira, o vício em videogames foi incluído como perturbação mental, ou seja, doença caracterizada pela “perda de controle no jogo”. O diagnóstico considera, por exemplo, a falta de controle e a prioridade dos jogos na vida da pessoa.

O documento também passou a incluir condições relacionadas à identidade de gênero no capítulo sobre saúde sexual – antes estavam relacionadas à saúde mental. A 11ª edição da CID será apresentada na Assembleia Mundial de Saúde, que ocorrerá em maio de 2019, para que seja aprovada pelos Estados-Membros. Se aceitas, as mudanças deverão entrar em vigor 1º de janeiro de 2022.

A OMS recebeu mais de 10 mil sugestões de profissionais de saúde de todo mundo para a formatação da nova classificação, A CID-10, ainda em vigor, foi aprovada em 1990. De acordo com as propostas, serão incluídos um capítulo sobre medicina tradicional, outro sobre saúde sexual, considerando o tema relativo a transgêneros, e o transtorno gerado pelos jogos de videogame. Neste último caso, o tema está entre as “desordens de dependência”.

Para o diagnóstico do vício em videogame, a OMS diz que é necessário haver um comportamento extremo com consequências sobre as "atividades pessoais, familiares, sociais, educativas ou profissionais" e, "em princípio, manifestar-se claramente sobre um período de pelo menos 12 meses".



Com informações de EBC/AGENCIA BRASIL